• Segware

Três mulheres que se destacam no mercado de segurança eletrônica

O mercado da segurança eletrônica também garante espaço para a força de trabalho feminina. Embora o cenário ainda indique a necessidade de melhorias, um estudo da organização líder mundial em segurança cibernética revelou que, entre 2017 e 2019, a representatividade de mulheres nas profissões do segmento saiu de 11% para 29%.


Paralelamente a isso, a Women in Business 2020, da Grant Thornton International, revelou que as mulheres ocupam 34% dos cargos de liderança sênior no mercado brasileiro, o que representa um aumento de 9% em relação a 2019 e faz o país avançar para a 8ª colocação no ranking composto por 32 países (do qual participam 4.812 empresas), além de superar a média global (29%) Apesar da evolução, ainda é muito pouco.


A exemplo disso, o contexto da pandemia dos últimos evidenciou que para as mulheres ainda é resguardado o lugar "solitário" do cuidado da família, algo que impactou diretamente o número de mulheres profissionais ativas no mercado durante esse período.


Por isso, neste 08 de março, Dia Internacional da Mulher, que também representa o retorno gradual das atividades presenciais após as fases vacinais avançarem, junto à possibilidade da reinserção das mulheres em suas rotinas profissionais, é importante destacar iniciativas que as apoiam para além da data.


Neste contexto a Segware, referência no mercado de segurança eletrônica, entrevistou três mulheres líderes de empresas de monitoramento e segurança eletrônica, com o objetivo de compreender o olhar delas sobre o trabalho na área, as diferenças, igualdade, carreira e muito mais!


Se você conhece, é uma mulher que atua no mercado de segurança eletrônica, deseja ser, ou se interessa pelo assunto, continue a leitura abaixo e confira a percepção das profissionais sobre esses tópicos.


Mulheres no mercado de segurança eletrônica: Ana Paula Felix

💼 Cargo: Diretora Geral da Anjo Azul


Segware: O mercado de tecnologia e segurança é excludente quando se é mulher?


“Antes podíamos apenas ser entregadoras de papéis, agora somos palestrantes, gerentes e coordenadoras. Ganhando mais e mais espaço e digamos assim abrindo portas para outras mulheres. Não é fácil, nunca será, mas vale a pena ir atrás se esse é seu sonho”.


Segware: Qual o ponto de destaque da sua carreira profissional durante esse período?


“A Anjo Azul foi um divisor de águas na minha vida! Nela aprendi que oportunidades podem nos levar longe, mesmo que haja preconceitos ao longo de todo processo”.


Segware: Como é ser mulher no mercado de segurança eletrônica no Brasil?

“E é exatamente essa garra por ser mulher que nos destaca dos concorrentes, pois nossa luta diária por espaço nos fez ser reconhecidas por uma gestão inclusiva e diversificada. Somos a inovação que o mercado brasileiro precisa”.


Segware: Qual mensagem você acha importante registrar neste dia 08 de março quando falamos de mercado de trabalho?


“Se eu pudesse deixar uma mensagem para cada menina ou mulher que queira embarcar nesse universo, diria para acreditem no seu sonho! Siga em frente, pois você é forte e capaz de vencer absolutamente tudo, assim como eu e todas as mulheres da empresa ANJO AZUL”.


Mulheres no mercado de segurança eletrônica: Barbara Locatelli

💼 Cargo: Diretora da empresa IRIS Monitoramento


Segware: Como é ser mulher no mercado de segurança eletrônica no Brasil?


De acordo com Barbara, o mundo está cada vez mais aberto a ter mulheres em posições de liderança.


A profissional acredita que a substituição da vigilância humana pela tecnologia no mercado de segurança contribuiu para isso e possibilitou que cada vez mais mulheres enxerguem oportunidades nesse mercado.


Além disso, algumas áreas preferem contratar mulheres por sua sensibilidade e multifuncionalidade


Segware: Qual mensagem você acha importante registrar neste dia 08 de março quando falamos de mercado de trabalho?


“É um mercado muito desafiador, mas o sentimento de estar sendo eficiente e trazendo essa força da mulher, essa habilidade intrínseca do lado emocional, de extrair o melhor da essência do outro é recompensadora. Eu convidaria todas a se desafiarem e a buscarem novos caminhos, porque nós não temos limites.


Mulheres no mercado de segurança eletrônica: Raphaella Baziliche

💼 Cargo: Gerente comercial da empresa Alcatraz


Segware: Como é ser mulher no mercado de segurança eletrônica no Brasil?


Para Raphaella, as características tidas, no mercado de trabalho, como femininas e masculinas são complementares. Para ela, todos guardam traços de ambos os gêneros, sendo a inteligência emocional das mulheres um destaque importante na gestão de pessoas.


“Eu posso desenvolver essa minha parte feminina junto com a equipe, trazendo o acolhimento, porque quando você acolhe, você ganha. Nesse sentido, o acolhimento gera pertencimento, que acaba contribuindo para o desenvolvimento individual dentro das organizações”.


Segware: Qual mensagem você acha importante registrar neste dia 08 de março quando falamos de mercado de trabalho?


“Se você está iniciando no mercado de segurança/tecnologia, faça os cursos que os próprios fornecedores oferecem no site, leia os manuais e fichas técnicas, veja tutoriais no YouTube, conheça a Michelle Barbosa, o CT Segurança, o Vagner Camilo, o Marcos Sousa, o Alexandre do Papo Segurança, a Parkseg, o SIESE-SC, participe dos eventos que reúnem o mercado para ampliar seu networking. Desta forma, com certeza, você vai se destacar neste mercado inovador cheio de oportunidades e conquistar uma posição de liderança, sendo homem ou mulher.”

_________________


Mesmo com trajetórias diferentes, as três mulheres mencionadas acima compartilham a potente narrativa: o mercado de segurança eletrônica no Brasil (e no mundo) é SIM para ELAS!


Por isso, o progresso desse setor deve estar associado aos avanços infraestruturais, e, principalmente, à representatividade de suas vagas e oportunidades, para, assim, indicar sinônimo de inovação, comprometimento e desejo por um ambiente corporativo que seja de fato inclusivo.


Que esse dia 8 de março marque o reconhecimento das mulheres incríveis que estão nos ambientes de trabalho, um momento de celebração, além de muitos outros com reflexões quanto à inserção feminina no mercado, seus desafios ainda presentes no dia a dia, bem como quais caminhos colaborativos podemos tomar para mudança de cenário. D


Compartilhe esse conteúdo com mulheres apaixonadas pela área da tecnologia e segurança e faça essas histórias ecoarem cada vez mais longe!

189 visualizações

Posts recentes

Ver tudo